15 janeiro, 2018

Do amor .3

Ainda lembro do azul cintilante do céu, dos passos apressados das pessoas, do passarinho acabando seu ninho e do meu coração acelerado. Ainda lembro do seu não torto, do meu choro manso e do teu abraço de despedida. Ainda lembro o banco frio da chuva da noite passada, das palavras que dilaceravam ambos sentimentos, e da esquina em que eu dobrei sem dizer tchau. Ainda lembro das mensagens cheias de amor, preocupação e distância. Você era boa nas palavras, mas não na presença. Ainda lembro do acaso nos fazendo esbarrar uma na outra, mas nunca acreditamos no acaso. Você foi o mais perto que eu encontrei do amor. Você foi o "eu te amo" mais perto da verdade. Mas o amor às vezes tem prazo de validade. Nossa verdade tinha prazo de validade, e quando começa a ser mentira o amor que acreditamos existir some. Ainda lembro das recaídas, as voltas insistentes, os encontros por acaso, os encontros marcados, o para sempre prometido, o tempo acabando e da separação definitiva. Ainda lembro de você com tanto amor, um amor diferente daquele, um amor maior, um amor de agradecimento por tudo aquilo que ainda lembro.
-
samantha.

12 janeiro, 2018

Oscilações .2

No equilíbrio bambo entre o ir e vir.
Na dúvida constante do sim ou do não.
Na leveza do medo, e no peso da coragem.
Entre o talvez e a certeza.
O preço do amanhã é cobrado hoje.
O preço do ontem não pode mais ser cobrado hoje.
O existir é agora.
E hoje você tem que resistir. 

-
samantha.

03 janeiro, 2018

A moça do sorriso aberto .1

As luzes apagaram no momento exato que ela dobrou a esquina, você sentiu uma lágrima escorrer até seus lábios, um aperto no peito e seguiu em frente. "Em frente", foi o que ela mais pediu que você fizesse. E fez. Pediu também para você não repetir o momento passado. E não repetiu. A vida é curta demais para ter repetições que apertam o coração. Em um certo momento vocês foram felizes, mas a moça tinha medo de voar e teu coração era tão leve. Entre tua embriaguez e outra expressava o quanto ela era linda, o quanto o sorriso dela era aberto e o quanto que ela destruiu teu coração. Entre uma lágrima e outra você sorria de si mesma, não sei ao certo se a risada era de alivio ou de pena. Você lembra disso? Entre uma esquina e outra torcia para que não a visse, tinha medo de desmoronar. Com ela você relembrou como é ter borboletas no estômago, sem ela você aprendeu a superar. Com ela você relembrou como é ter esperança, sem ela você aprendeu a não esperar. Com ela você foi você, sem ela você renasceu. Contigo ela sabe que foi feliz, sem ti... isso você nunca vai saber!

As tuas luzes acenderam no momento exato que sentiu que amar é nada mais que se sentir positivamente e verdadeiramente. Você foi em frente, e até agora não parou mais.

-
samantha.